Buscar
  • Natacha Barros

O VER-A-CIDADE X


"Por trás das lentes", foto de Lara Borges na 7ª Mostra Fotográfica VER-A-CIDADE Marabá

O Instituto de Arte Vitória Barros tem a honra de lançar o 10º edital público para a Mostra Fotográfica VER-A-CIDADE de Marabá, reservando uma oportunidade especial aos participantes. Com o apoio da Prefeitura de Marabá, na figura do Secretario de Cultura José Scherer, o projeto premiará 04 dos selecionados na mostra!

Ao longo destes dez anos cerca de 400 pessoas participaram do projeto, sendo que muitas repetiram a dose mais de uma vez, como a produtora cultural e artista, Lara Borges que teve fotos selecionadas em 7 edições do VER-A-CIDADE. Desta forma, agregando e mantendo, que se criou um acervo com cerca de 2 mil fotos de autoria dos inscritos e convidados que passaram pela exposição.

Em comemoração ao sucesso do projeto, o IAVB lança o Prêmio Incentivo a Criação, que contemplará 04 autores com o valor de R$ 250,00. Além do lançamento do catálogo com a história da Mostra, as imagens mais representativas que ficaram em exposição e a relação de todos os participantes nestes 10 anos.

O CURSO DESSA HISTÓRIA

Iniciado em 2010, o VER-A-CIDADE nasceu como uma homenagem aos 97 anos da cidade. Na primeira edição o projeto ainda não estava aberto ao público. A proposta surgiu como uma mostra coletiva de fotógrafos, artistas visuais e uma parceria com o Prof. Alixa Santos, na época coordenador do Núcleo de Arte Educação da UFPA/CAMAR, e seus alunos do Curso de Formação em Arte Educação – FAE. Foram ao total 33 participantes, com aproximadamente 100 imagens sobre Marabá.

Nas edições que se seguiram, o espaço para pensar a cidade foi aberto à comunidade. A cada edição a produção do projeto pensava em como melhorar o alcance de suas ações. A primeira edição aberta ao público foi produzida por Jairon Gomes, numa versão em categorias e premiações, na qual seis pessoas, entre profissionais e amadores, foram contempladas: Dan Baron, Glauco Brito Filho, Mateus de Moura Zaidon, Maria Ataliana de Sousa Lima, Maria Suely Ferreira Gomes, Debora Dias Rodrigues. O prêmio ficou para trás, mas algumas características permaneceram, como a ideia de categorias que seguiu vigente até 2015, no VER-A-CIDADE VI, e o padrão para impressão das imagens, ainda respeitando os tamanhos de papéis que existiam quando ainda se revelava o filme fotográfico.

Bem, o filme fotográfico também passou e o projeto teve de lidar com a imagem digital e todas as questões que suscitaram desta mudança, assim como escreveu Natacha Barros, curadora da Mostra deste 2016.

A fotografia nasce para ser objetiva - não por outro motivo assim nomearam o conjunto de lentes ópticas do corpo da câmera. No entanto, o seu próprio desenvolvimento tratou de alterar, paulatinamente, o seu conceito e a relação criada entorno da produção fotográfica. A capacidade de tecnologia permite novas agências na criação do autor, que passa a ser como performer num gesto quase teatral que se tornou a fotografia. Como espectador, desejamos encontrar nela algo para além das nossas próprias imagens, e assim como na escrita, evocamos os códigos simbólicos próprios de cada época o caminho para sua compreensão. [trecho do texto da exposição em 2018]

O antigo padrão 15x20cm de impressão fotográfica teve de ser atualizado. O autor tem agora autonomia para imprimir no que achar mais pertinente a sua proposta, e isso também será avaliado como um critério estético. Papel fotográfico, Couchê, tecido, papelão, papel algodão, plástico, enfim. Tamanho e suporte entraram nesta edição como objetos de avaliação do projeto e tem o objetivo de incentivar a pesquisa por materiais e novas linguagem atreladas a fotografia contemporânea. O que se espera é que os participantes tenham espaço para experimentação da linguagem, e que possam pensá-la como um meio híbrido.

Laboratório de Imargens, projeto enviado a 5ª Mostra Fotográfica VER-A-CIDADE Marabá

pelo artista convidado, Antônio Botelho.

TEMA

Como provocação aos fotógrafos, o VER-A-CIDADE X traz ao tema a ideia de território e fronteira, conceitos abordados pela geografia, mas muito usados em outras disciplinas que se interessam pela relação homem x espaço.

O título “TERRITÓRIO PARA ALÉM DAS FRONTEIRAS” quer que o participante pense Marabá enquanto um território de transição, dinâmico e fronteiriço, e que também guarda traços cosmopolitas expressos nas diversas formas como a cidade é experimentada pelos que aqui vivem, ou simplesmente passam.

A reflexão se estende quando percebemos que os territórios são mais que suas fronteiras geopolíticas e se mantêm num espectro imaginal do indivíduo moderno. Quais são as fronteiras que nos cercam? E, quem são seus habitantes? Como nos apropriamos dos territórios? Será que é possível pensar o território como um espaço autônomo, mental, de afetividade e não como limite político?

Essas são algumas das indagações que o tema apresenta, deixando aos participantes a responsabilidade de refletir e se deixar levar por essas e outras elucubrações, que devem ser sintetizadas tanto nas imagens apresentadas quanto na ficha de inscrição através de um pequeno texto que subsidie a compreensão das obras.

Serviço:

10ª Mostra Fotográfica VER-A-CIDADE Marabá

Edital AQUI

Inscrições de 6 de março até 6 de abril de 2019, às 12h.

Divulgação dos Selecionados para a mostra 19 de abril de 2019

Divulgação do Prêmio Estímulo a Criação, dia 25 de abril

Abertura da mostra 26 de abril de 2019

Visitação de 27 de abril a 28 de julho de 2019

Agendamentos de ações e/ou visitação em grupo

94 3324 1258


218 visualizações

© 2015 por Galeria de Arte Vitória Barros.

Orgulhosamente criado com Wix.com 

Av. Itacaiúnas, 1519. Novo Horizonte, Marabá-PA.

68503-820